Sistema de organização de marmitas

queres então saber mais sobre o sistema de organização de marmitas Simplify Eat?

já deu para reparar (ou talvez não) que sou adepta de listas, de agendas, rotinas, de planeamento.

calma! não sou um robot! mas sempre foi através de planeamento que consegui executar com maior sucesso os desafios que fui enfrentando ao longo da minha vida académica/profissional.

não creio que ter “foco de falcão” seja uma das minhas virtudes. sou mais do estilo criativo. a minha mente é muito acelerada, cheia de pensamentos, que viaja muito e rapidamente.

acredito que por essa razão, planear me faz tanto sentido. ter cabeça cheia de infinitas tarefinhas que preciso de cumprir, reduz a minha capacidade de decisão, faz-me sentir cansada, assoberbada…portanto, as listas acabam por ser bom outsourcing desse peso, dessa carga mental e que me possibilitam estar mais presente.

mas vamos ao que interessa 🙂

para atacar a tarefa hercúlea (e assustadora) de confeccionar e enviar marmitas para a escola tive de dividir o processo em fases. é o célebre “dividir para reinar”.

fase I – prato equilibrado

a nossa alimentação de casa é à base de comida de verdade e restrita em processados. não seguimos qualquer dieta/estilo de vida específico (paleo, vegan, crudívoro, etc). somos sim, influenciados por todos eles. de forma que não existem grupos alimentares proibidos. restringimos alimentos que não são interessantes do ponto de vista nutricional e/ou que percebemos que não toleramos tão bem. além do açúcar, refiro-me essencialmente a lacticínios, trigo, soja e cenasdamodaquevêmládooutroladodomundo. aqui em casa somos fãs do planeta azul 😉

considero equilibrada uma refeição que contenha os três macronutrientes (proteína, hidratos de carbono e lípidos), seja rica em micronutrientes (vitaminas e minerais), em fibra (solúvel e insolúvel) e em fitoquímicos (antioxidantes, anti-inflamatórios).

usando o MyPlate como ponto de partida, a composição ideal seria mais ou menos assim:

  • 50% do prato ocupado por hidratos de carbono, representados por vegetais e frutas
  • 25% do prato ocupado por proteína (carne, peixe, ovos, fontes vegetais)
  • 25% do prato ocupado por hidratos de carbono sob a forma de cereais ou vegetais com amido (batata, batata-doce, mandioca, inhame)

a necessidade de cada um dos macronutrientes, varia com a idade e, sinceramente, nunca me preocupei muito com esta questão da quantidade certinha em gramas. mas compreendo que para algumas pessoas possa ser importante.

no site choose.myplate.gov é possível encontrar as necessidades diárias de diversos grupos de alimentos para os adultos e as crianças aí de casa. se desconfiares dos americanos (não te censuro lol) podes sempre espreitar o que diz a FAO, a OMS, ou a Associação Portuguesa dos Nutricionistas. mas aviso já que vão todos, mais ou menos, “beber” à mesma fonte.

fase II – gestão de tempo

“mas eu não tenho tempo! como hei-de arranjar tempo para cozinhar?”.

lembras-te da história da prioridade? cuidar da alimentação dos meus filhos (e da minha!) é uma prioridade. pretendo estender à escola o cuidado que tenho em casa. ninguém me obrigou, eu é que me “meti” nisto. defini como prioritário.

e para uma prioridade, arranja-se sempre tempo 😉

assim, partindo do princípio que “marmitar” é prioritário, tive de olhar para a minha agenda e criar esse tempo.

vou contar-te exactamente o que fiz:

  1. abri o excel, criei uma tabela como esta
  2. bloqueei os períodos de trabalho, as refeições principais (almoço e jantar), idas/voltas da escola, actividades, banhos, ó-ós e uma ou outra tarefa doméstica que tem ser executada num dia específico (lavar o lençol da escola, por exemplo)
  3. no tempo que sobrou, coloquei todas as tarefas associadas à preparação das refeições: fazer a ementa semanal e a lista de compras, ir às compras, pré-preparar os alimentos, cozinhar, montar as marmitas
  4. na coluna obs. coloquei o responsável pela tarefa e/ou outras notas pertinentes

após preencher a agenda, a única coisa que fica a faltar é a energia para a execução hehehhe

fase III – variedade = riqueza nutricional

para facilitar a escolha dos pratos da semana, garantir variedade, diversidade e riqueza nutricional, optei pelo seguinte sistema:

1º construí uma lista (não exaustiva!) com algumas fontes das tais componentes do prato equilibrado mencionado acima.

  • proteína animal: peixe, carne, produtos do mar, ovos, lacticínios
  • proteína vegetal: leguminosas (+cereais ou tubérculos), frutos secos, sementes
  • hortícolas verdes: crucíferas, “alfaces”, folha escura, folha clara
  • outros hortícolas: laranja, vermelhos, roxos, brancos
  • cereais: com glúten, sem glúten
  • fruta: época, tropicais

2º listei exemplos para cada um dos grupos. como nem todos os vegetais e frutos se encontram disponíveis ao longo do ano, a consulta de listas como esta pode ajudar. além disso, atender à sazonalidade é um truque que permite variar e buscar inspiração.

o passo seguinte foi fazer a ementa semanal, com um truquezinho que explico aqui.

até já!

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.