Dieta anti-inflamatória: 5 ideias de pequenos-almoços sem cereais, açúcar, lacticínios ou óleos vegetais refinados

No dia 6 de Janeiro juntei-me ao inflammatiom challenge proposto no livro The Inflammation Spectrum do médico funcional Will Cole.

O desafio consiste em fazer uma dieta de eliminação, durante 4 ou 8 semanas, retirando alimentos potencialmente inflamatórios.

Existem duas variantes: o core4 e o elimin8.
Escolhi o core4, cujo objectivo é retirar da dieta os alimentos que refiro no título + café e álcool. Já no elimin8, aos alimentos do core4, juntam-se também leguminosas, ovos, oleaginosas, solanáceas (a família botânica que inclui tomate, pimento, batata, beringela, por aí fora)…Ouch!

Porque o fiz?
Em primeiro lugar, porque suspeito de sensibilidade a determinados alimentos e uma dieta de eliminação é a forma mais precisa para perceber quais são. Segundo, porque é uma oportunidade para fazer um reset ao sistema. Terceiro, porque gosto de me testar, de sair da minha zona de conforto 🙂

Se foi difícil?
Para ser sincera as duas primeiras semanas foram bastante fáceis. Já a terceira e a quarta custaram um bocadinho porque fiquei doente e só me apetecia cházinho e torradas com manteiga (ou mel!) 😀

E como nestas avarias de retirar alimentos, principalmente cereais, a “FAQ” é sempre “o que vais tu comer ao pequeno-almoço?!”, decidi partilhar aqui 5 respostas 🙂

Ovos mexidos com salsa e parmesão vegan

O belo do parmesão vegan da Minimalist Baker

Business as usual. Fazem-se os ovos mexidos normalíssimos e no final tempera-se com sal, junta-se a salsa e o parmesão vegan, receita da Minimalist Baker.
A levedura nutricional (sim, não usem levedura de cerveja, o sabor não tem nada a ver) dá-lhe um saborzinho de queijo que “mata” as saudades do dito.
Em alternativa podem apenas juntar os flocos de levedura que também resulta bem 🙂

Batata-doce assada com azeite e orégãos

Não, não a comi toda 😉

Uma opção simples e saborosa para fugir aos ovos. É só assar a batata no forno (com casca) e servir com um fio de azeite e orégãos (ou outras ervinhas da preferência).
A vantagem é que pode ser feita no dia anterior, tornando o pequeno-almoço além de simples, muito prático.

Ovo estrelado com abacate

Faz-se o ovo estrelado em azeite (há quem também quem estrele usando água) e junta-se o abacate temperado com sal, pimenta e sumo de limão. Também se pode juntar umas folhas de alface ou rúcula. Very yummy!

“Pão” de linhaça

Receita super minimalista e versátil.
Misturam-se 2 ovos com 2-3 colheres de sopa de linhaça moída e tempera-se com sal (se a ideia for uma versão salgada).
Verte-se o preparado numa frigideira com propriedades antiaderentes untada com azeite. Podemos colocar sementes (de girassol, abóbora) na parte de cima que ficarão tostadinhas e saborosas quando virarmos o pãozinho.
E o que usar como topping? Os lacticínios estão de fora mas podemos usar ghee. No entanto o sabor pode não agradar a toda a gente. Em alternativa pode usar-se uma manteiga vegetal (do bem!), receita da querida Mamã Paleo 🙂

“Bolo” de frigideira (AKA panqueca gigante)

Fica alto e fofo. Perfeito para comer às fatias.

Finalmente uma sugestão docinha 🙂 Não que ache que a primeira refeição do dia o deva ser.
Mas dias não são dias e portanto cá vai:
Triturar 2 tâmaras (ou mais se forem muito gulosos) com 2 ovos e 1/4 chávena de sumo de laranja. Juntar 3 colheres de sopa de farinha de linhaça, 1 colher de sopa de farinha de amêndoa, 1 colher de sopa de araruta, canela a gosto e pitada de bicarbonato.
Untar com azeite uma frigideira antiaderente e colocar a massa toda. Colocar uma tampa e quando a parte de baixo estiver cozida, virar com cuidado e deixar ao lume mais uns minutos.
Nota importante: tentar não comer tudo ao pequeno-almoço 😀

E para beber?
Chá, leite de coco com chicória ou batido de fruta turbinado com cânhamo e chia (principalmente quando o pequeno-almoço é menos proteico).
Por vezes ainda rematava com uma frutinha 🙂

Parece-vos bem? 🙂
É engraçado que as pessoas assumem que ao eliminar alguns alimentos passamos a fazer uma dieta muito restritiva. Na verdade passa-se exactamente o contrário!
Basta pensar que a maior parte de nós varia pouquíssimo o pequeno-almoço e come quase sempre o mesmo dia após dia, após dia…
É tudo uma questão de perspectiva…e de criatividade 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *