5 adoçantes saudáveis

como referi anteriormente existem no mercado algumas alternativas ao açúcar. neste post vou falar de 5 adoçantes saudáveis: stevia, xilitol, eritritrol, xarope de yacon e fruta-dos-monges.

 stevia

a stevia (Stevia rebaudiana) é uma planta nativa da américa do sul cujas folhas contêm glicosídeos de esteviol, compostos que lhe conferem o sabor extremamente doce.

os principais glicosídeos da stevia são o rebaudiosídeo A (Reb A) e o esteviosídeo, este último responsável por um travo amargo, não muito apreciado.

este “problema” foi contornado pela indústria das seguintes formas:

  • misturando stevia com outros aditivos, nomeadamente adoçantes como eritritol, dextrose, maltodextrina.
  • utilizando um extracto purificado de rebaudiosídeo A – rebiana, sem o “malvado” esteviosídeo (processo patentado pela coca-cola).

há por isso muita mistela refinada a fazer-se passar por stevia. confere os ingredientes e evita as marcas, cujos produtos apresentam na composição aditivos e aromas naturais. caso da truvia, pure via, stevia in the raw, natvia.

[mais sobre stevia aqui e aqui]

xilitol e eritritol

apesar do nome feio, estes açúcares de álcool estão naturalmente presentes em alguns frutos, vegetais, cogumelos e fermentados.

xilitol

sendo apenas parcialmente digerido, o xilitol tem um efeito prebiótico, isto é, serve de alimento às bactérias do intestino. no processo de fermentação é produzido gás, o que poderá estar na base de alguns sintomas gastrointestinais associados à sua ingestão.

como, aparentemente, apenas as bactérias “boas” o conseguem metabolizar, o seu consumo promove uma alteração positiva da flora bacteriana no sentido da maior representatividade daquelas bactérias.

são-lhe atribuídos outros benefícios, nomeadamente para a saúde dos dentes e ossos.

o xilitol tem uma característica peculiar: é extremamente tóxico para os cães. cuidado!

[mais sobre xilitol aqui]

eritritol

o eritritol é quase totalmente absorvido no intestino delgado, sendo excretado praticamente inalterado na urina.

uma vez que só aproximadamente 10% desta substância fica disponível para as bactérias do intestino, é mais bem tolerado que o xilitol.

apesar da fama, tal como o xilitol, não deixa de ser um produto processado, logo bastante diferente da sua versão in natura.

são apontadas algumas críticas a este adoçante, nomeadamente o facto de ser obtido por fermentação de milho geneticamente modificado, de normalmente ser utilizado misturado com adoçantes artificiais e, imagine-se, constituir um excelente mata-moscas (não abona muito a seu favor, né?).

[mais sobre eritritol aqui]

xarope de yacon

é um tubérculo da região dos andes e há quem lhe chame “batata dos diabéticos”.

é composto por um tipo de açúcares “fora de formato”, os fruto-oligosacáridos.

o arranjo especial dos fruto-oligosacáridos faz com que não os consigamos digerir. ao chegar ao intestino também servem de alimento às bactérias boas, que no processo produzem ácidos gordos de cadeia curta (o que é muito vantajoso para nós).

o yacon também contem inulina, uma fibra derivada da frutose, prebiótica, à qual estão associados alguns benefícios (controlo glicémico, melhoria da imunidade, entre outros).

[mais sobre xarope de yacon aqui]

fruta-dos-monges

é o fruto da siraitia (espécies Momordica grosvenoriiThladiantha grosvenorii), planta do sudoeste asiático, usada há centenas de anos por monges budistas e na medicina tradicional chinesa.

a este fruto são atribuídas propriedades anti-oxidantes, anti-cancerígenas, anti-diabéticas, sendo conhecido como “fruto da longevidade”.

o poder edulcorante da fruta-dos-monges deriva da presença de glicosídeos triterpenos, os “mogrosides” (se alguém souber a designação em português, apite!). um triterpeno conhecido é a saponina (responsável pela espuma que é gerada quando se lava o arroz, a quinoa).

o adoçante obtém-se a partir do sumo da polpa, que é posteriormente seco e tranformado em pó (processo patentado pela procter & gamble).

para melhorar o sabor do extracto obtido (é extremamente doce !), são-lhe adicionados outros adoçantes, dando origem a produtos como este ou este, que na minha opinião, deixam muito a desejar.

[mais sobre fruta-dos-monges aqui]

a fechar…

na minha opinião, estes 5 adoçantes saudáveis devem ser usados com parcimónia e no contexto de uma dieta alimentar rica e diversificada.

não faz sentido usá-los como forma de manter uma compulsão por doces “livre de culpas”, mas sim como uma bengala para, eventualmente, nos vermos livres dela.

também convém ter em mente que os eventuais benefícios para a saúde, se referem às versões in natura: as folhas, os frutos…o que é bem diferente de um produto processado, vendido num frasco.

eu actualmente não consumo qualquer uma destas alternativas ao açúcar, pois como já disse noutra ocasião, desconfio um pouco de substitutos processados, alegadamente saudáveis.

mas creio ser oportuno identificar alguns produtos, com uma lista de ingredientes adequada, que poderá servir de orientação caso decidam experimentar.

NÃO tenho qualquer afiliação a estas empresas e/ou marcas. destaco-os meramente como exemplos de produtos com uma composição que considero equilibrada.

bons exemplos dos 5 adoçantes saudáveis

stevia em pó

ingredientes: extracto de stevia biológica (Stevia rebaudiana)

stevia em gotas

ingredientes: água purificada, edulcorante (glicosídeos de esteviol), vitamina c (ácido l-ascórbico)

xilitol

ingredientes: 100% xilitol

xarope de yacon

ingredientes: xarope de yacon (Smallanthus sonchifolius)

fruta-dos-monges

ingredientes: luo han guo (fruto-dos-monges)

fonte das fotos: flickr

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *